Buscar
  • Gunnar Georgi

O papel do processo de “avaliação de funcionários em período de experiência”.

Atualizado: 9 de Mar de 2019




O chamado “período de experiência do 45 e 90 dias” é justamente o prazo que a empresa tem para avaliar a performance de seus funcionários recém contratos, levando em consideração conhecimentos técnicos e perfil comportamental.

Fazer essa avaliação de forma criteriosa e regrada torna o processo uma ferramenta importante e poderosa para a escolha assertiva de um novo integrante da companhia.

Essa ferramenta, nos dias de hoje, ainda precisa ganhar maior credibilidade de uso nas empresas e ser aplicada de forma mais azeitada.




Repasso a seguir alguns pontos importantes que devem ser considerados nesse processo:


1. Ao iniciar uma avaliação de experiência com um funcionário, é preciso passar a ele qual o real papel desse processo para a contratação – porque está sendo feito, como foi consolidado e o que se quer atingir com ele.

2. Em seguida, é necessário ficar claro para o avaliado qual o contexto desse processo para a empresa, onde, quando e porque é feito.

3. Abordar então os objetivos que se buscam com essa avaliação – avaliar o funcionário no primeiros meses de trabalho, receber um feed back do avaliado sobre seu trabalho na empresa e propiciar uma reflexão da empresa para com o desempenho do funcionário.




Definindo uma sistemática de avaliação


É fundamental a empresa ter muito bem formatada uma sistemática de avaliação, e de forma clara e regrada, dissemina-lá a todos os envolvidos com as avaliações de experiência. Alguns cuidados que elenco para o processo mais assertivo:

- a avaliação deve ser preenchida com calma sempre antes de sua realização;

- sempre que possível, informações de apoio devem ser buscadas na equipe de trabalho e com outras chefias.

- ser objetivo e claro nas metas á serem atingidas pela pontuação da avaliação – explicação ao funcionário;

- estar munido de muito critério ao pontuar as competências avaliadas: “excelente é diferente de bom” e “regular não é considerado apto em um item avaliado”, por exemplo.

- fator preocupante nesse processo é ter avaliações com competências avaliadas como “regular e insatisfeito” e mesmo assim haver a condução de um funcionário para uma efetivação de contrato. Isso não é nada recomendado acontecer.




Fazendo a avaliação na prática


Um passo a passo recomendado para o processo, á saber:

1. Fazer a avaliação sempre em locar reservado;

2. Adotar a pró-forma obrigatória de explicar ao avaliado o processo;

3. Abrir espaço em determinado momento para o funcionário falar: comentários, dúvidas, necessidades, emoções, etc;

4. Ao iniciar a avaliação, a cada competência abordada, dar alguns segundos de intervalo entre uma e outra, deixando um espaço para o funcionário se manifestar;

5. Sempre fechar o processo estabelecendo metas e prazos, deixando cada meta bem esclarecida;




Fator comportamental do avaliado


Embora tenhamos após a contratação de uma pessoa na empresa, algumas referências importantes para avaliação como tomada de informações de empregos anteriores, trajetória profissional – experiência e conhecimento técnico e informações do currículo e do processo de contratação, não temos uma coisa fundamental do candidato contratado, não temos informações do comportamento da pessoa que acabamos de admitir em período de experiência. Aí entra o papel do gestor responsável pelo setor e a realização de um criterioso processo de avaliação de 45 e 90 dias.

Ressalto que a avaliação de 90 dias deve ser ainda mais criteriosa, já que confirma ou não, a melhora das competências com baixa pontuação na avaliação anterior.



E por fim, a Interação do avaliador com o final do processo junto ao funcionário


“Ao funcionário não aprovado”, agradecer o empenho e dar um foco especial quanto ao perfil do avaliado ao justificar seu desligamento;

“Ao funcionário contratado efetivamente”, alinhar novas metas para serem alcançadas dali para frente e fazer as devidas recomendações agora com a efetivação;



Refletir para melhorar um processo, que não é complexo mas estratégico, é fundamental para aprimorar o performance de turn over na empresa!

26 visualizações

© 2016 by IHEC.